Logo intermediação financeira

Como gerar boleto bancário: tudo sobre o método de pagamento

Como gerar boleto, tipos de boleto, tarifas cobradas, gestão de pagamentos e outros são alguns assuntos que são pertinentes para entender caso você esteja pensando em oferecer o boleto como forma de pagamento na sua empresa.

Você sabe como gerar boleto para os seus clientes? Se a resposta é não, precisa aprender tudo sobre esse método de pagamento o quanto antes. Afinal de contas, é uma maneira prática e segura de receber seus valores e também oferece mais opções para o seu consumidor.

É essencial gerar boleto no seu negócio. Por exemplo, existem algumas formas de pagamento que são recorrentes e, portanto, o boleto cabe muito bem nesse aspecto. 

Entenda, neste conteúdo, como gerar boleto para o seu negócio e todas as vantagens que isso pode agregar aos resultados dos seus lucros. Acompanhe!

Como gerar boleto bancário?

Existem, basicamente, duas maneiras de gerar boleto bancário na prática: por meio de uma conta no banco ou então fazendo um cadastro em alguma plataforma de emissão de boletos.

Por meio do banco, normalmente, é essencial criar uma conta PJ para conseguir emitir boletos e fazer configurações específicas como data de pagamento, cobrança de juros e tarifas, entre outros.

É provável que tanto os bancos quanto as plataformas cobrem algumas taxas para fornecer esse tipo de serviço ao seu negócio. Alguns exemplos dessas cobranças são:

  • emissão de boleto;
  • compensação de boleto;
  • emissão de segunda via;
  • manutenção de títulos vencidos e outras.

Sendo assim, na hora de optar por um banco ou uma plataforma de emissão de boletos é essencial analisar as cobranças que são realizadas em todas as etapas. E analisar se o custo-benefício vale a pena, especialmente, se você vai precisar emitir muitos boletos.

Por que usar o boleto bancário?

Um dos principais motivos para usar o boleto bancário é o fato de ser algo simples e rápido de ser colocado em prática. 

A empresa emite o boleto para o cliente. O documento é enviado por e-mail ou para o endereço físico (a depender de como foi o acordo) e o pagamento deve ser efetuado. Lembrando que é muito importante que o boleto chegue até o cliente com uma certa antecedência para que ele tenha tempo hábil de realizar o pagamento antes do vencimento.

Assim que o boleto é pago, começa-se um período de compensação que pode durar de 3 a 5 dias úteis. Esse período varia de acordo com alguns fatores como instituição financeira e também se o boleto é emitido pela própria instituição ou não. No primeiro caso, o tempo de compensação é menor e o dinheiro vai cair na sua conta muito mais rápido.

Vejamos algumas outras excelentes vantagens dessa forma de pagamento.

Possibilidade de oferecer desconto

É possível oferecer desconto no próprio boleto. Por exemplo, já deve ter acontecido com você de receber desconto, por exemplo, 5% do valor, por pagar o boleto dentro do prazo. O desconto é automático. 

Isso é benéfico tanto para a empresa, que recebe o valor na data certa e pode contar com aquele dinheiro e também para o cliente que recebe desconto. 

Mais formas de pagamento

Quanto mais opções de pagamento a sua empresa for capaz de oferecer aos clientes, melhor. Isso não só passa a ser um diferencial do seu negócio, como pode ser justamente o motivo pelo qual os clientes procuram a sua empresa e não a da concorrência.

Facilita o cálculo dos juros

Quando o cliente atrasa o pagamento, é normal que ele seja “penalizado” com multas e/ou juros. E uma das vantagens do boleto é que a sua equipe financeira não precisa ficar calculando isso ou gerar um novo boleto.

Na hora de realizar o pagamento, mesmo após o vencimento, é possível realizá-lo sem a necessidade de ter uma segunda via. O valor a pagar atualiza automaticamente pelo app ou caixa que realizar o pagamento.

Maior controle de recebimentos

A organização financeira é de fundamental importância para qualquer negócio e ter o controle dos recebimentos faz parte disso. 

Com os boletos fica muito fácil gerenciar todas as entradas de pagamentos feitas por meio desse documento, calcular valores de juros e ver quanto de capital já está disponível e o que ainda falta receber, quais estão atrasados, entre outras informações.

Pode protestar

Digamos que o cliente já tenha recebido o produto ou o serviço e não realizou o pagamento. Você não fica totalmente no prejuízo quando o assunto é emissão de boleto.

É possível recorrer à justiça para que o valor seja pago. Após o protesto, caso o cliente não pague a dívida em até 3 dias úteis, o nome dele ficará restrito nos órgãos de proteção ao crédito como o Serasa e o SPC.

Tipos de boleto de cobrança

Você sabia que existe mais de um tipo de boleto? Normalmente, eles são divididos em duas grandes categorias: Boleto Simples e Boleto Registrado. Vejamos mais sobre eles.

Boleto Simples

São chamados de Boleto Simples os que não precisam ser registrados no banco. Foi assim quando os boletos começaram a fazer parte do dia a dia do brasileiro em 1993. 

Isso significa que caso sua empresa emita um boleto simples, pode modificar as informações dele sem precisar avisar ao banco. De fato, é muito mais prático, mas gera um problema: fica impossível rastrear as informações em caso de fraudes.

Boleto Registrado 

Pelo próprio nome você já consegue entender que esse tipo de boleto é justamente o oposto do anterior, ou seja, é registrado no banco.

Essa regra começou a valer em 2018 por uma imposição da Febraban para deixar as relações financeiras ainda mais seguras. Assim, fica bem mais fácil para as instituições financeiras identificarem quem é o pagador do boleto.

Além disso, quem tem a obrigação de pagar não pode fazê-lo em um valor diferente do registrado no banco. Assim, caso o valor do boleto esteja diferente, o pagamento não poderá ser realizado. 

Campos do boleto de cobrança

Para fazer os boletos para os seus clientes, é importante saber exatamente quais informações são necessárias e quais são os campos que devem ser preenchidos no documento. Por isso, fizemos uma pequena lista para explicar cada um deles. 

Multa de mora e juros

São valores cobrados ao pagador caso ele passe da data de vencimento. Eles podem ser cobrados ou não pela sua empresa.Multa e juros de mora são duas coisas diferentes. 

  •  Multa: é um valor pago pelo atraso, ou seja, passou da data de vencimento, ela já pode ser cobrada. Lembrando que o valor máximo estabelecido em lei é de, no máximo, 2% sobre o valor total do boleto.
  • Juros: é um acréscimo proporcional aos dias de atraso, ou seja, quanto mais tempo o cliente leva para pagar o boleto, maior é o valor dos juros. A alíquota não pode ultrapassar 1% ao mês.

Linha digitável

Uma linha com 48 números que representa o boleto junto ao banco. Esses números são divididos em 5 grupos diferentes e permitem que você faça o pagamento do valor sem a necessidade de imprimir o documento.

Código de barras

É uma outra forma de identificar o seu boleto, porém, por meio dele, é necessário ter o documento impresso. Com as facilidades do aplicativo, é possível pagar o boleto sem sair de casa apenas apontando a câmera para o código.

Data de vencimento

Esse é um campo autoexplicativo e que você já conhece. Todo boleto precisa de uma data de vencimento, que é a data limite em que deve ser pago. Se ela for ultrapassada, cobra-se juros e multa.

Sacado e cedente

São dois termos que não são muito usados no dia a dia, mas que é importante saber.

  • Sacado: é quem compra o seu produto ou serviço, ou seja, o responsável por pagar o boleto até a data de vencimento. Para criar um boleto registrado é preciso informar o CPF (no caso de pessoa física) ou o CNPJ caso o comprador seja pessoa jurídica. 
  • Cedente: é quem emitiu o boleto e que efetuou a venda da mercadoria ou do serviço. Se a sua empresa usou outra como intermediadora, ou seja, outra empresa emitiu o boleto, é o nome dela que aparecerá como cedente.

Sacador ou avalista

É quem, de fato, recebe o dinheiro, ou seja, a sua empresa pela mercadoria vendida ou serviço devidamente prestado.

Agência e código do cedente

É um número que representa quem emitiu o boleto. Por exemplo, os bancos costumam ter um número que os identificam. Se você escolheu um banco para emitir os boletos da sua empresa, o código dessa instituição financeira aparecerá nesse campo.

Cobrança via boleto bancário: como funciona?

Tudo funciona de forma muito simples e fácil de ser entendida. Após sua empresa firmar um contrato com o banco para a prestação desse serviço — emissão de boletos — você pode gerar um para cada cliente.

Esse boleto pode ser enviado por e-mail ou para o endereço físico do cliente — a depender da disponibilidade das partes — que deverá pagá-lo até a data de vencimento.

Para evitar atrasos no pagamento e até problemas maiores depois, é importante enviar o boleto com 5 a 10 dias de antecedência, especialmente, se for enviado no formato físico.

Quando o boleto é pago, esse valor vai para a conta da sua empresa em até 3 ou 5 dias úteis. Esse tempo de compensação, normalmente, já vem estabelecido em contrato, então, antes de emitir, você já saberá até que dia o dinheiro estará na sua conta caso o boleto seja pago até a data de vencimento.

Como escolher a melhor forma de emissão?

Essa é uma das primeiras dúvidas que chega à mente de quem quer começar a trabalhar com boletos: 

  • Por onde emitir?
  • Bancos são as melhores opções? 
  • Um intermediador de pagamentos ou uma plataforma de gestão de cobranças?

Para esclarecer essas dúvidas, vamos explicar quais as vantagens e desvantagens de cada uma dessas opções. Com essas informações em mãos, será muito mais fácil decidir.

Intermediador de pagamentos

O intermediador de pagamentos é uma das principais opções para muitos e-commerces. Ele é quem faz a “conexão” entre a empresa e o banco por onde o valor será recebido e cairá na conta.

São organizações que oferecem não só os boletos como forma de pagamento, mas também cartão de crédito e transferência bancária.

Uma vantagem aqui é que o intermediador se responsabiliza pela dívida do cliente. Isso quer dizer que, na prática, se o cliente não pagar o boleto, o intermediador passa a ser responsável por honrar a dívida. Assim, o risco para o seu negócio é muito menor, mas os intermediadores costumam cobrar taxas maiores por essa segurança, portanto, muita atenção nas alíquotas cobradas antes de assinar o contrato.

Plataformas de gestão de cobrança

É uma ótima maneira de fazer as cobranças dos boletos de forma organizada e planejada visto que plataformas de gestão de cobrança costumam se integrar a diversas outras áreas da empresa como:

  • vendas;
  • contabilidade;
  • financeira;
  • cobrança.

Dessa forma, a plataforma — que normalmente é um software — consegue deixar claro quais são os boletos que estão para vencer e os que estão em atraso. Quais devem ser cobrados primeiro e de que forma esses valores impactam diversas áreas do negócio.

Bancos

Os bancos — físicos ou digitais — também são ótimas opções de forma de cobrança de boleto. Por eles você consegue emitir boletos de diversos valores, com taxas e juros pré-determinados e que são cobrados de maneira automática caso o valor não seja pago até a data de vencimento.

Um ponto muito importante que você precisa analisar se vai emitir boletos por meio de um banco físico ou digital são as tarifas cobradas para emissão de boleto, compensação e outras. 

Nesse caso, os bancos digitais costumam ser as melhores opções visto que os tradicionais, pelo menos, em sua maioria, cobram essas taxas, enquanto que, muitos dos digitais não cobram. 

Ou seja, é possível encontrar possibilidades de emitir o seu boleto sem pagar nada por isso. Na hora de emitir, é você quem estabelece informações como: 

  • Data de vencimento
  • Valor a ser cobrado
  • Qual a alíquota dos juros e da multa a ser cobrada

É possível também cadastrar os seus clientes, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas e assim, o boleto vai para eles com todas as informações necessárias.

Normalmente, essas mesmas contas pelas quais você vai emitir o boleto também ajudam a gerenciá-los. Se a sua empresa já emite muitos boletos ou pensa em emitir, organizá-los é de extrema importância. Isso evita, por exemplo, cobrança indevida, algo que pode gerar processos na justiça.

O que levar em consideração na hora de escolher um emissor de boletos?

Existem alguns pontos essenciais que precisam ser analisados para fazer a melhor escolha quanto à instituição que será responsável pela geração dos seus boletos. Vejamos abaixo quais são eles.

Praticidade

No mundo em que vivemos, onde tempo é dinheiro, uma ferramenta que seja prática e intuitiva é fundamental quando o assunto é emissão de boletos.

Sem falar que com uma ferramenta simples, as chances de emitir um boleto com erros é muito menor. E sabemos que, um simples erro nesse caso, pode causar muitos problemas para a empresa e para o cliente.

E sim, é possível encontrar uma ferramenta de emissão de boletos que seja simples e intuitiva e, ao mesmo tempo, é capaz de oferecer tudo o que a sua empresa precisa para ofertar esse novo meio de pagamento.

Organização

Outro ponto crucial é que essa escolha consiga também oferecer um espaço digital para gerenciar os boletos emitidos e também os programados. 

Um emissor de boleto que também consiga organizar as suas demandas e emitir relatórios sobre boletos:

  • emitidos;
  • compensados;
  • cancelados;
  • reemitidos e outros.

Lembre-se de que quanto maior o controle sobre as suas formas de pagamento, maior também será o crescimento do negócio e menor a taxa de erros. Portanto, esse fator também deve ser levado em consideração no momento da escolha.

Segurança

Sem dúvida, um fator de extrema importância, principalmente, se todo o processo de emissão, envio e pagamento do boleto for feito de maneira online.

A proteção de dados do seu cliente é essencial e toda a movimentação de valores deve ser amplamente protegida. Para escolher bem levando em conta esse quesito, é importante que a sua empresa leve em consideração as práticas recomendadas pelo Banco Central.

Custo-benefício

Quanto mais facilidades e segurança um emissor de boletos consegue oferecer, normalmente, maiores serão as taxas cobradas pela emissão de boletos, compensação, emissão de segunda via e outros.

Por isso, antes de fechar qualquer contrato é importante entender muito bem quais tarifas serão cobradas e em quais ocasiões. 

É possível encontrar instituições que não cobram tais tarifas ou, ao menos, cobram um valor muito menor que os bancos tradicionais. Os bancos digitais são ótimas escolhas nesse caso.

Agora que você já sabe como gerar boleto, o que levar em consideração na hora de escolher por uma empresa emissora, os tipos de boleto e muito mais, já está pronto para tomar uma decisão. 

No internet baking e/ou app do banco Linker, por exemplo, é possível gerar boletos inteligentes, com programação de multas e juros por atraso, descontos por pagamento antecipado e notificação automática de cobrança para o pagador. Além disso, você consegue gerenciar e acompanhar online seus boletos de formas simples e prática.

Aqui no Linker oferecemos uma conta digital PJ completa para sua empresa, não só com a emissão de boletos, mas também com um sistema de gerenciamento que pode ser feito, diretamente, por meio do nosso aplicativo.

Quer saber mais sobre essa funcionalidade? Acesse o nosso site e veja todos os benefícios e vantagens que oferecemos para os nossos clientes que desejam emitir boletos!

Rolar para cima

Fique por dentro


Que tal receber no seu e-mail conteúdos que podem ajudar na gestão da sua empresa?

Preencha seu nome e e-mail: